06/04/2020

Como manter a saúde mental na Quarentena?

Com as aulas suspensas e não podendo sair de casa, as crianças podem ficar decepcionadas com as mudanças da rotina. É natural que elas sintam essas mudanças e fiquem frustradas por deixarem de fazer atividades da sua rotina ou até mesmo passeios e viagens por conta dos cuidados com a contaminação do vírus.

Falar sobre a corona vírus se tornou inevitável. Com os pequenos, conversa é o melhor caminho. 

Os meios de comunicação destacam o tempo todo informações sobre o panorama da saúde no mundo e as crianças acabam ouvindo, entendendo a situação do jeitinho delas.  Por isso, é importante a família falar de forma tranquila e sem mentir sobre o que está acontecendo, porque elas podem criar cenários na mente. 

Conversar e explicar pode evitar, que de forma fantasiosa, criem medos e sofram ainda mais.

Então papais e mamães, que ainda não tiveram essa conversa franca com seus filhos, providenciem esse momento em família. Existem formas lúdicas para reforçar a segurança e vocês podem aproveitar para curtir esse momento em casa, criando músicas para lavar as mãos ou fazendo sabonetes coloridos por exemplo. 

Não precisa entrar em muitos detalhes, muitas vezes respostas simples são suficientes. Em relação a frustração, falar sempre a verdade e é fundamental acolher o sentimento delas (“eu entendo que é ruim ter planos divertidos e não conseguir fazer agora…”) mas agora a regra é ficar em casa para que a doença não atinja mais pessoas e logo as coisas voltem ao normal.

A cartilha “Olá! Eu sou o coronavírus” foi traduzida para diversas línguas e usa a fantasia e o universo simbólico para auxiliar no enfrentamento da doença e está disponível no instagram: @quarentando_feliz

Lembrando que as crianças não serão diferentes do que são habitualmente por causa do estado da quarentena. Crianças precisam de atenção, de amor, de gente que lhes conte boas histórias, de brincadeiras instigantes, montar quebra-cabeças, criar teatrinhos com fantasias de papel ou pano e momento de realizar exercícios físicos em família. 

Quanto mais pudermos transformar essa fase em um momento lúdico, de brincadeira, melhor será para elas.

Claro que é um desafio imenso, afinal, não são todos os pais que pararam de trabalhar. Por mais que estejam em casa, as atividades profissionais continuam em home office, não é mesmo? 

Por isso, uma dica bem importante, procurem relaxar. Mães e pais, não se cobrem tanto neste período. Vocês não precisam ocupar seus filhos o tempo todo. A criança não terá prejuízos se as coisas acontecerem de forma mais lúdica e mais natural. 

Os pais precisam estar bem para que os filhos estejam bem.

É importante os pais terem um tempo pra si também (trabalho, atividade física, meditação ou até uma série da Netflix por exemplo) procurem não se cobrar tanto.

Espero ter contribuído de alguma forma para que todos possamos passar por esse momento delicado da melhor forma possível. Fico à disposição através dos canais de comunicação da Clínica Amare Pediatria.

 

Com carinho,

Liana V. Michelon Martins

Psicóloga e Psicopedagoga

Especialista em Análise do Comportamento

CRP 08/10787

Clinica Amare

POR Liana Michelon Martins