13/07/2018

Refluxo Gastroesofágico em crianças e adolescentes: o que é?

O refluxo gastroesofágico (RGE) é caracterizado pelo retorno do conteúdo do estômago para o esôfago, podendo refluir e atingir garganta, boca e vias aéreas superiores.

O refluxo é um processo fisiológico, ou seja, normal em pessoas saudáveis, chega a ocorrer até 3 vezes ao dia principalmente após as refeições e não traz desconforto ou prejudica o sono.

A doença do refluxo gastroesofágico (DRGE) ocorre quando causa sinais e sintomas importantes e com alguns sinais de gravidade.

Refluxo na criança e adolescente

Na criança, ele é fisiológico e acompanhado de regurgitações que podem ocorrer até 6 vezes ao dia.

Essas regurgitações são devido a imaturidade do sistema digestivo no primeiro ano de vida, é transitório e não causam perda de peso no bebê.

Por outro lado, a doença do refluxo gastroesofágico pode causar vômitos volumosos, irritabilidade, dificuldade de ganho de peso, choro, recusa alimentar e alteração na posição cervical (bebê com a cabeça caída para trás).

Vale ressaltar que a frequência de regurgitação fisiológica na criança é muito maior que a doença do refluxo gastroesofágico.

Nas crianças maiores e adolescentes as principais manifestações são azia, dor em queimação localizada no meio do peito ou na região do estômago.

A diferenciação entre refluxo gastroesofágico fisiológico e a doença do refluxo gastroesofágico sempre deve ser feita pelo médico pediatra, de acordo com os sintomas e se houver necessidade, avaliação através de exames.

Como melhorar?

Para a melhora do refluxo fisiológico na criança, após as mamadas, a criança deve ser mantida de 20 a 30 minutos em posição vertical (de pé) o que facilita o esvaziamento do estômago diminuindo as regurgitações.

Na hora de dormir a posição é sempre em decúbito dorsal (barriga para cima), com a elevação da cabeceira entre 30 e 40 graus. As posições em decúbito lateral e/ou prona (de lado ou barriga para baixo) associam-se com maior risco de ocorrência de morte súbita.

Cerca de 90% a 95% dos casos de refluxo gastroesofágico resolvem até o primeiro ano de vida.

Nas crianças e adolescentes com doença do refluxo gastroesofágico o tratamento, além de medicamentoso, é realizado com medidas anti-refluxo: elevar a cabeceira da cama, não deitar logo após as refeições, evitar comidas que possam aumentar o refluxo (cafeína, chocolate e comida apimentada).

Importante lembrar que: medidas gerais como postura, correção de erros alimentares e estilo de vida devem ser sempre instituídas na abordagem de qualquer paciente com refluxo, seja ele fisiológico ou não.

Dra. Bruna Z. Dariva
Pediatra da Amare Pediatria Especializada
CRM-PR: 33176 RQE: 22112

POR Dra. Bruna Dariva Pediatria Geral • Puericultura
CRM: 33176 | RQE: 22112