20/12/2018

Engasgo em bebês e crianças: o que fazer?

Quem nunca se desesperou ao ver um bebê se engasgando? O engasgo é motivo de medo entre as mães e, infelizmente, comum nos bebês.

Principalmente até o primeiro ano de vida, engasgos podem acontecer a qualquer momento. Ao mamar, com a própria saliva ou nos primeiros meses de adaptação com outros líquidos: todas essas situações podem gerar engasgos e, mesmo que difícil, é importante manter a calma.

Engasgos leves não são tão graves assim. Aliás, a criança permanecer respirando, mesmo que com dificuldade, ou chorando, tossindo, são sinais de que ela não está com um engasgo total e ainda está com as vias respiratórias livres, mesmo que parcialmente.

É importante deixar a criança chorar ou tossir e jamais tentar tirar com as mãos o que está dentro da boca dela.

Já o engasgo total requer agilidade e socorro rápido. Ele é caracterizado pela incapacidade da criança de chorar, tossir, com lábios e rosto arroxeados, com moleza no corpo devido à dificuldade de respiração. Tudo isso indica a falta de ar.

Em casos como esse, é fundamental procurar, o mais rápido possível, ajuda profissional.

Hoje, vamos mostrar o que você pode fazer em casa para o engasgo das crianças.

 

Bebês abaixo de 1 ano

Sabemos que é difícil, mas manter a calma é fundamental. Enquanto uma pessoa liga para o Serviço de Emergência, outra pessoa deve estar com o bebê para prestar os primeiros atendimentos.

O número do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) é 192. Já o do Corpo de Bombeiros é 193.

Então, siga este passo a passo:

  • Coloque o bebê de bruços sobre o seu antebraço, segurando firmemente a mandíbula. A cabeça do bebê deve estar mais baixa que o corpo,
  • Aplique 5 golpes vigorosos nas costas do bebê, entre as escápulas,
  • Vire o bebê de barriga para cima, sobre o outro antebraço apoiado em sua coxa,
  • Faça 5 compressões com dois dedos no meio do peito do bebê, com cerca de 2 dedos de profundidade,
  • Caso o bebê fique inconsciente, coloque a criança no chão e inicie as manobras de ressuscitação cardiopulmonar (respiração boca a boca alternada com massagem cardíaca) até a chegada do serviço de emergência.

Crianças acima de 1 ano

Manter a calma e ligar por ajuda também são fundamentais nesses casos. Mesmo que a criança já tenha uma idade avançada e consiga falar ou demonstrar que está afogada, apoio profissional é essencial.

Então, siga este passo a passo.

  • Fique em pé ou ajoelhado atrás da criança, segurando-a com seus os braços logo abaixo das axilas e envolvendo o tórax,
  • Feche uma das suas mãos em punho contra o abdome da criança logo acima do umbigo,
  • Agarre o punho fechado com a sua outra mão
  • Faça uma firme e forte compressão abdominal para dentro e para cima para expulsar o corpo estranho e repita até que a criança desengasgue ou perca consciência,
  • Caso a criança fique inconsciente, ligue por ajuda, coloque a criança numa superfície rígida (no chão) e inicie as manobras de ressuscitação cardiopulmonar (respiração boca a boca alternada com massagem cardíaca).

Fique atento aos sinais

Todo engasgo, seja os leves ou os graves, demonstram sinais claros. Fique atento.

  • Tosse, espirro, ânsia de vômito ou choro durante as alimentações
  • Respiração rápida e bebê ofegante
  • Bebê não conseguir respirar, com lábios azulados e pele pálida ou com vermelhidão
  • Ausência de movimentos respiratórios
  • Esforço muito grande para respirar ou sons incomuns
  • Tentar falar mas não emitir nenhum som

Como comentamos, os engasgos mais graves os bebês e crianças não conseguem chorar, falar ou respirar. Além disso, caso seu bebê ou criança engasgue mesmo sem nenhum alimento ou líquido na boca, a atenção pode ser direcionada para alguma alergia a algum alimento ou dificuldade respiratória.

O acompanhamento da criança por um pediatra é essencial.

Siga algumas dicas

Para evitar engasgos, separamos também algumas dicas para as famílias:

Muitas vezes a família deita a criança logo após a amamentação ou após ouvir o arroto. Deixe o bebê ou criança em pé por 15 ou 20 minutos nesses casos

Alguns bebês engasgam principalmente no início da amamentação. Eles ainda não conseguem coordenar direito a respiração e deglutição, o que gera aquela sensação de fome extrema e de que a criança está desesperada.

Nesses casos, após 15 ou 20 segundos do início da mamada, tire o bebê do peito para que esse cansaço inicial passe. Você irá reparar que a criança volta a mamar em um ritmo mais calmo.

Respeite também o tempo correto para introduzir novos alimentos e brinquedos na rotina das crianças. A principais causas de engasgos são:

  • Tomar suco, água ou outros líquidos deitados ou encostados, sem o auxílio de um adulto
  • Ao comer grãos como arroz, feijão, ou pedaços de frutas escorregadias como banana, ou manga,
  • Pequenos brinquedos com peças soltas ou itens como moeda e botões,
  • Em crianças maiores: balas, pipoca, amendoim

Portanto, é importante acompanhar a criança e nunca entregar em suas mãos alimentos ou brinquedos que possam se desprender e gerar esse transtorno.

Respeite o tempo de crescimento e aprendizado dos pequenos!

Além disso, apoio profissional e o acompanhamento de um pediatra deixará toda a família mais tranquila e saudável durante toda essa jornada cheia de descobertas.

Conte com os profissionais da Amare Pediatria!

 

POR Patrícia Furukawa Enfermagem
COREN: 118748